Teste

Automatic Slideshow

Breaking News

Pezão presta depoimento como testemunha de defesa de Sérgio Cabral na Lava Jato



O governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão (PMDB) vai prestar depoimento na tarde desta quinta-feira (6), na condição de testemunha, em um dos processos da Operação Lava Jato. O político foi arrolado pela defesa do ex-governador fluminense, Sérgio Cabral, que está preso, acusado nesta ação penal de receber propina da construtora Andrade Gutierrez.
O depoimento será prestado por videoconferência. Pezão deverá estar na sede da Justiça Federal no Rio de Janeiro. Ele será ouvido pelo juiz federal Sérgio Moro, que julga as ações penais da Operação Lava Jato. O magistrado também deverá ouvir o depoimento de Ricardo Zaratine, que foi arrolado pela defesa de Carlos Miranda, sócio do ex-governador Sérgio Cabral.
Além de Cabral e Miranda, o processo tem outros cinco réus. Entre eles, está a mulher do ex-governador, Adriana Ancelmo, e o ex-secretário Wilson Carlos, que trabalhou no governo fluminense na gestão de Cabral. Por parte da Andrade Gutierrez, são réus os ex-executivos da empresa Rogério Nora de Sá e Clóvis Primo.
A ação penal apura o suposto pagamento de propina a Cabral a partir do contrato da Petrobras com o Consórcio Terraplanagem Comperj, formado pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão.
A força-tarefa da Lava Jato pede o ressarcimento, em prol da Petrobras, de R$ 2,7 milhões. A partir de agora, cabe ao juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, decidir se aceita ou não a denúncia. Se isso ocorrer, todos passam a ser réus.
"Os denunciados Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, Wilson Carlos e Carlos Miranda receberam a vantagem indevida, a qual foi paga em 3 (três) parcelas, a primeira, no dia 18 de outubro de 2008 e, as demais, possivelmente, nos dias 03 de março de 2009 (SP), 10 de março de 2009 (SP), 12 de janeiro de 2009 (RJ) e 14 de janeiro de 2009 (RJ). Em consequência da promessa e da vantagem indevida oferecida, e, posteriormente, paga, Paulo Roberto Costa, em relação a licitações e contratos celebrados pela Andrade Guiterrez com a Petrobras", diz trecho da denúncia.
Segundo os procuradores do MPF, Sérgio Cabral e Wilson Carlos praticaram atos de ofício com infração aos deveres funcionais, no interesse da Andrade Gutierrez.
Da mesma foram, afirmaram os procuradores, eles se omitiram na prática de atos de ofício que viessem contra os interesses da empreiteira.


Conforme a investigação, o contrato foi celebrado em 2008 no valor de R$ 819,8 milhões e recebeu cinco aditivos, fazendo com que custo da obra subisse para R$ 1.179.845.319,30.

Nenhum comentário