Teste


Breaking News

Ciro Gomes diz que não tem vontade de ser candidato se Lula também concorrer

[Ciro Gomes diz que não tem vontade de ser candidato se Lula também concorrer]


Ex-ministro de Lula, Ciro Gomes (PDT-CE) torce para que o petista não concorra à Presidência. Pelo país ("seria um desserviço") e por ele, que se vende como o nome progressista para 2018. “Não tenho a menor vontade de ser candidato se o Lula for. Menos em homenagem a ele e mais porque a tendência é ele polarizar o processo. E eu ficar falando de modelo econômico... Vou ter um papel nobre, vou lá para meus 12%, 15% no mínimo, mas daí dizer para o povo que acredito que vou ser presidente... Não consigo mentir desse jeito”, disse o pré-candidato em entrevista ao jornal Folha. 

Na oportunidade, questionado se era hora do PT apoiá-lo, ele foi direto. “A natureza do PT, e é legítimo isso, é ter candidato próprio. Talvez o ideal fosse apresentar uma nova liderança”, disse e acrescentou “não serei vice de ninguém”.
Ciro já tentou chegar ao Planalto em 1998 (11% dos votos) e 2002 (12%). Diz o anedotário político que, na última tentativa, morreu pela boca, ao chamar um eleitor de "burro" e dizer que Patricia Pillar, então sua esposa, tinha o crucial papel de "dormir comigo".
Ele também voltou comentou porque prefere votar em Jair Bolsonaro e não em João Doria (PSDB). “Antes eu perguntei se, entre os dois, vale morrer. Dito isso, prefiro um cara tosco e franco a um farsante. Conheço [Doria] de longuíssima data. O antipolítico, o empresário... Tem dois probleminhas básicos [nessa imagem]. Doria foi chefe da Embratur no governo Sarney. Saiu debaixo de muitas irregularidades no Tribunal de Contas da União e foi violentamente criticado por uma propaganda do turismo brasileiro com bundas de mulher na praia, estimulando claramente o turismo sexual. A segunda coisa: Doria reforçou muito a grande fortuna dele, do liberal, com dinheiro público dos governos do PSDB de Minas e SP, por exemplo”.
Na entrevista, Ciro voltou a reforçar que o juiz da Operação Lava Jato, Sergio Moro, errou. “O exibicionismo midiático, ir ao Facebook agradecer o apoio de todos, as gravatinhas borboletas em todo tipo de solenidade, a confraternização descuidada com possíveis réus, a fraude com a gravação da presidente [divulgação do grampo de ligação entre Dilma e Lula] –o que nos EUA é considerado traição e gera até pena de morte, só para ter a relativização dessa leviandade. Isso tudo semeia a semente de matar essa coisa importante que seria a Lava Jato, que ainda pode ser o momento de virada na impunidade. Mandar prender um blogueiro, tem uma coisa patológica nisso. Não falo com prazer, falo com dor. Operação Satiagraha? Anulada inteira. Daniel Dantas, culpado de tudo? Tá com atestado de inocente”.
Ele também minimizou a afirmação de Michel Temer, de que será o presidente mais nordestino que o país já teve. “Bote aí que dei uma risada. Ele, para além de ser essa coisa constrangedora de chefe de quadrilha, sendo um velho e notório malversador de dinheiros públicos, virou chefe de um governo de patetas”.

Nenhum comentário