Teste


Breaking News

Líder da greve dos caminhoneiros é filiado ao PSDB e próximo de entidade patronal



Quando o governo do presidente Michel Temer se viu obrigado a sentar à mesa para negociar o fim da paralisação dos caminhoneiros, que paralisa o país desde o início da semana passada, quem esteve no canto oposto representando os interesses dos grevistas foi José da Fonseca Lopes, presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros).
Antes mesmo do primeiro caminhão encostar na beira da pista, Fonseca, como é conhecido no meio sindical, já havia se apresentado como porta-voz da categoria. Uma carta assinada por ele alertou o governo para o risco de uma paralisação, recado ignorado pelo presidente. Mais tarde, com o país sentindo os primeiros efeitos do desabastecimento, Fonseca recusou o primeiro pacote de ofertas do Planalto, mas neste domingo (27) ele enfim deu aval para o fim da paralisação.
A permanência de bloqueios e caminhões no acostamento das estradas, porém, levanta questionamentos sobre a representatividade do sindicalista. O que não se tem dúvidas é sobre seu bom trânsito no meio patronal das transportadoras e na militância política partidária.
O presidente da Abcam é filiado ao PSDB e já foi candidato a deputado federal pela sigla. Em 1998, Fonseca recebeu o número 4589 para a disputa por uma vaga paulista na Câmara Federal. Conquistou 1851 votos, insuficientes para se eleger.
Quatro anos antes, ele já havia atuado como cabo eleitoral. Na disputa entre Mário Covas (PSDB) e Francisco Rossi (PDT) pelo governo de São Paulo, ele reuniu caminhoneiros para fazer uma grande caravana em favor do candidato tucano, que foi eleito. No ano seguinte, filiou-se ao partido do governador no diretório da cidade de Presidente Prudente. Sua filiação está ativa até hoje.
Fonseca começou a dirigir caminhões no ano de 1960 e vinte e três anos mais tarde fundou a Abcam. Hoje, aos 76 anos, ele dirige uma entidade que diz ter 600 mil representados. Além da Abcam, ele dirigiu também a Fetrabens (Federação dos Caminhoneiros Autônomos de São Paulo) e o Sindtanq (Sindicato dos Transportadores Autônomos de Combustíveis de São Paulo).
Por circular com desenvoltura entre patrões, Fonseca foi chamado a assumir uma cadeira na vice-presidência da CNT (Confederação Nacional dos Transportes), entidade patronal, como representante dos transportadores autônomos de passageiros e de cargas. A relação com o patronato é tão harmoniosa que a sede da Abcam fica no prédio da CNT, em Brasília.
Pessoas do entorno do presidente da Abcam dizem que ele cultiva uma relação próxima com Clésio Andrade, presidente da CNT, mas a assessoria de Andrade diz que o presidente "mantém apenas relações institucionais com os outros integrantes da confederação". Andrade foi condenado a cinco anos e sete meses de prisão no mensalão tucano pelo crime de lavagem de dinheiro e disse que vai provar sua inocência em recurso.
Em meio à paralisação dos caminhoneiros, a CNT divulgou nota em que classificou como desproporcional a política de preços da Petrobras. Empresas do setor de transporte divulgaram apoio à paralisação dos caminhoneiros, o que levantou a dúvida sobre a prática de locaute, que é a participação de empresas e entidades patronais em paralisações e greves, o que é proibido por lei.
O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República investigam se empresas e entidades patronais premeditaram a paralisaçãodos caminhoneiros. Uma lista com 21 alvos da apuração foi divulgada no domingo (27) pela TV Globo. José da Fonseca Lopes, a Abcam e a CNT estão entre os investigados.
Não é a primeira vez que Fonseca é alvo desse tipo de questionamento. Em 1995, como presidente do Sindtanq, ele foi porta-voz de uma ameaça ao governo de paralisar o transporte de carga caso o governo não concedesse um reajuste no frete. O governo, na ocasião, denunciou o locaute.
As greves passaram a fazer parte da vida de Fonseca em 1974. Colegas contam que no passado, quando liderava protestos com motoristas de caminhões tanques, ele costumava derramar óleo e atear fogo em pneus e até em rios. A prática incendiária foi ficando para trás, mas o protagonismo nas greves permanece.
OUTRO LADO
José da Fonseca Lopes não retornou aos contatos da reportagem feitos por telefone, mensagens e email.
O PSDB disse que "as atividades de José da Fonseca Lopes como líder de entidade de classe não se confundem com sua filiação partidária, ocorrida há mais de duas décadas".
A CNT disse, em nota, "a Abcam, assim como diversas entidades representativas do setor de transporte, está localizada no Edifício CNT, no setor de autarquias Sul, em Brasília".

Nenhum comentário