Teste


Breaking News

Preso há quase 300 dias, Geddel não dá sinais de que irá delatar





Nesta terça-feira (05) o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB) completa 270 dias encarcerado no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.
O baiano foi preso no dia 8 de setembro do ano passado, em Salvador, depois do escândalo dos R$ 51 milhões em malas em um apartamento no bairro da Graça.
Desde a sua prisão, adversários e aliados especularam nos bastidores sobre o potencial devastador que teria uma possível delação premiada de Geddel. O político foi ministro do ex-presidente Lula, presidente da Caixa Econômica de Dilma e ex-ministro de Temer. Na Bahia, foi aliado de petistas e demistas.
Em fevereiro deste ano, a defesa de Geddel insinuou que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, estaria perseguindo a mãe de Geddel, dona Marluce Vieira Lima, para forçá-lo a delatar.
Na época, a PGR pediu a aplicação de medidas cautelares contra Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão do ex-ministro, e contra a mãe dos dois, Marluce Vieira Lima.
“Não se quer pensar que essa manifestação do Direito Penal do Inimigo seja uma frustrada tentativa de obrigar o irmão do peticionário a fazer uma delação premiada (até porque este não tem nada a delatar), haja vista a cega perseguição para atingir a idosa genitora do mesmo”, diz o texto da defesa.
Até o momento, no entanto, Geddel sequer deu sinais de que estaria disposto  a contar sobre algo que saiba a respeito da corrupção no país.
Em abril, uma vistoria na Papuda apreendeu com Geddel centenas de comprimidos dos medicamentos antidepressivos, contra insônia, tranquilizantes, analgésicos e para tratamento gástrico.


Nenhum comentário