Teste


Breaking News

Colheita do algodão avança no oeste da Bahia



Com cerca de 70% da colheita do algodão finalizado, em meados de agosto, os produtores de algodão da Bahia estão bastante satisfeitos com os resultados em produtividade e qualidade da fibra. De acordo com a Abapa, o estado deve colher nesta safra mais de 1,2 milhão de toneladas de algodão (caroço e pluma), 300 mil a mais que na última safra. Nesta safra, os produtores plantaram emuma área total de 263.692 mil hectares plantados em toda a Bahia. O que representou um incremento de área de 30,77% em relação à safra passada. A região oeste planta 96% da produção de algodão da Bahia, que é o segundo maior produtor da fibra no Brasil, atrás somente do Mato Grosso. A colheita na Bahia deve acontecer até o prazo limite do dia 20 de setembro, quando tem início o período do vazio sanitário do algodão, e os cotonicultores já devem ter eliminados todos os restos culturais do campo para evitar a proliferação do bicudo do algodoeiro.

Por causa das chuvas regulares e do trabalho consistente desenvolvido em campo no combate a pragas, por meio do programa fitossanitário da Abapa, a produtividade média das lavouras é considerada recorde pela segunda safra consecutiva, acima das 320 arrobas/hectare. O presidente da entidade, Júlio Busato, conta que há dois anos vem acontecendo esse encontro entre grande produção e bom preço, o que ajuda os agricultores a recuperarem os prejuízos dos anos de estiagem. “Felizmente, pelo segundo ano consecutivo, há o encontro entre produção e do preço, e a oportunidade de reduzirmos nosso endividamento, voltando a crescer, trazendo de volta para a região os empregos e a renda momentaneamente perdidos”, afirma.

Com a previsão da regularidade do ciclo de chuvas e da cotação do mercado, a próxima safra de algodão já prevê um crescimento de área, saindo dos 263 para 313 mil hectares, em um incremento de 20%. A expectativa, segundo Busato, é que gradualmente no prazo das três próximas safras, a região possa retornar à capacidade instalada para a produção da fibra, que era de 400 mil hectares, antes da crise de chuvas e de pragas que reduziram a produtividade gerando uma descapitalização e o aumento no endividamento dos produtores. A atual safra de algodão da Bahia deve abastecer principalmente a indústria têxtil brasileira, sendo o restante dela, cerca de 40%, destinada para o mercado externo para os países asiáticos.


Assessoria de Imprensa Abapa


Nenhum comentário