Teste


Breaking News

Mudança climática acelera aumento exagerado da dengue na Bahia, adverte infectologista




A escalada de dengue na Bahia em 2019 atingiu impressionantes 51.595 casos suspeitos. O número é 626,2% maior que o registrado no mesmo período de 2018: foram 7.104 suspeitas da doença entre janeiro e julho do ano passado. Os dados são da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Em número de mortes, a dengue já vitimou 25 pessoas com diagnóstico comprovado. Outros 11 óbitos estão em investigação.

Para o infectologista Robson Reis, uma das razões para o aumento exagerado dos casos de dengue são as mudanças climáticas que interferem no tempo. Sol e chuva alternados é a combinação que as larvas do Aedes Aegypti precisam para se multiplicar. "A gente está em uma época do ano que é caracterizada por chuvas, mas o que é que a gente tem visto? Uma alternância de temperatura. Dias quentes e dias frios. Com sol e chuva a todo o tempo, as larvas se desenvolvem mais rápido. Elas podem ficar meses em um local. Quando vem a chuva e depois o calor, o ciclo de desenvolvimento da larva para o mosquito acaba sendo mais acelerado", explica.

O médico lembra que a água parada, limpa ou suja, mesmo em uma tampa de bebida, é um criadouro em potencial. Em relação a Feira de Santana, que teve o maior número de casos prováveis, 11.483, o infectologista disse que uma hipótese seria o fato de o município ser porta de entrada de pessoas de outros lugares, o que pode trazer casos importados. "Há um fator específico porque a cidade é um entroncamento onde passam pessoas de vários lugares", especulou. Em relação aos casos de dengue deste ano, o especialista informa que há um novo tipo de vírus em circulação. Assim, quem já teve dengue transmitida por outro vírus pode adoecer de novo pela doença.

Foto: Cláudia Cardozo / Bahia Notícias 

"Existem quatro tipos de vírus: D1, D2, D3 e D4. A pessoa pega uma vez cada tipo de vírus. Assim quando aparece um novo vírus, as pessoas que tiveram dengue podem pegar de novo a doença", acrescenta. Para o médico, a melhor forma de combater o mosquito Aedes Aegypti é indo na fonte. "Não adianta isso de 'vamos sair em caça ao mosquito'. Usar inseticida, comprar raquete, pode funcionar dentro de casa, mas como estratégia geral para a população o que vale mesmo é combater os criadouros. Fazer campanhas de conscientização para as pessoas não deixarem água parada, tampar caixas d'água, investir nessa educação", orienta.

As campanhas são a principal frente contra o Aedes enquanto ainda não há uma vacina disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). Apenas na rede privada existe uma vacina para dengue, mas ainda não é um consenso na área, além de não ser indicada para crianças e idosos. O médico reforça para cuidados simples, que vão de uso de repelente, camisas de manga comprida, principalmente no final da tarde, momento em que os mosquitos mais picam, além de mosqueteiros e telas.

Vale lembrar que os sintomas da dengue são febre alta, dores no corpo, nas articulações e na cabeça, além de mal estar. A doença dura em média sete dias. No entanto, o médico adverte que no quinto dia, o paciente deve redobrar os cuidados, porque pode haver recaída e a doença se agravar, com sangramento [a antiga dengue hemorrágica]. Líquido, repouso e medicação para controlar a dor [paracetamol e dipirona], exceto anti-inflamatório.

Nenhum comentário