Saiba por que o lobo-guará está na nota de R$ 200, que será lançada na quarta

 Saiba por que o lobo-guará está na nota de R$ 200, que será lançada na quarta

O lobo-guará foi um dos animais em extinção mais votados pelos brasileiros para estampar as notas de real -  (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)O lobo-guará foi um dos animais em extinção mais votados pelos brasileiros para estampar as notas de real - (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

A nota de R$ 200, que trará a estampa do lobo-guará, animal-símbolo de Brasília, será lançada na próxima quarta-feira (2/9). A cerimônia de lançamento, quando a imagem da cédula finalmente será conhecida, será transmitida pela internet, conforme antecipou o presidente do BC, Roberto Campos Neto, que participará do evento.

Segundo a instituição financeira, neste ano, serão impressas 450 milhões de notas, o que representará um montante de R$ 90 bilhões. A impressão ficará a cargo da Casa da Moeda.

Por que o lobo-guará na nota de R$ 200?

A escolha do lobo-guará ocorreu após uma consulta realizada em 2001, na qual os brasileiros podiam escolher animais ameaçados de extinção para estampar novas cédulas.

Nos dois primeiros lugares, ficaram a tartaruga-marinha (colocada na nota de R$ 2, criada em 2001) e o mico-leão (entrou na nota de R$ 20, lançada em 2002). O governo seguiu a ordem e escolheu para a de R$ 200 o lobo-guará, que ficou em terceiro lugar na votação.

De acordo com o BC, a impressão das notas de R$ 200 busca atender uma maior demanda por papel moeda, surgida entre a população durante a pandemia do novo coronavírus. 

Memes e críticas

Por questão de segurança, o BC ainda não divulgou imagem nem características da nova cédula. Quando foi anunciada, a nota gerou muitos memes na internet e versões fictícias da nota, incluindo até vira-lata na arte, circularam na internet.

A iniciativa do governo de lançar a nota num momento em que os pagamentos digitais ganham cada vez mais força também foi muito questionada, chegando a ser chamada de a "tomada de três pinos do governo Bolsonaro".

Com informações da Agência Estado

Nenhum comentário