Teste


Breaking News



TCU aponta fragilidade da Anvisa na fiscalização dos medicamentos genéricos




A Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara do Deputados realizou audiência pública para discutir denúncias sobre a eficácia dos medicamentos genéricos, na terça-feira (29). O debate foi uma iniciativa do deputado federal Márcio Marinho (Republicanos/BA) e contou com a participação de representantes do Tribunal de Contas da União (TCU), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e de entidades do setor.

A discussão é fruto de uma Proposta de Fiscalização e Controle (PFC 170/2014), a qual Marinho foi relator na legislatura passada. “Os consumidores precisam ter a garantia que estão consumindo medicamentos que realmente possuam total segurança e eficácia. Por isso, achei importante trazermos esse debate”, afirmou.

Durante a audiência, Carlos Ferraz, secretário de Controle Externo da Saúde do TCU, relatou fragilidades da Anvisa no monitoramento e fiscalização dos medicamentos comercializados. “Foram identificadas falhas nos processos de renovação de registro, baixo número de análises e relatórios, controle insuficiente das medicações pós registro, falhas na produção de dados gerenciais e comunicação de informações, entre outros”, explicou Ferraz.

Com o objetivo de verificar o cumprimento das determinações, Ferraz aponta que o TCU apresentou um plano de ação, em janeiro de 2017. De acordo com ele, a previsão para início da fiscalização é fevereiro de 2020.

“Vamos aguardar um prazo de seis meses para ver se as falhas foram reparadas. Se houver novas denúncias, vamos chamar os órgãos, mais uma vez, para o debate”, garantiu Márcio Marinho.



O gerente-geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária da Anvisa, Ronaldo Lucio, defendeu os métodos de avaliação realizados pela agência. “Além das inspeções regulares de boas práticas de fabricação, existem as inspeções por denúncia. Uma vez procedente, existem diferentes tipos de medidas previstas na legislação sanitária que permitem a Anvisa interditar o lote, a fábrica ou suspender a fabricação”, explicou.

Emanuel Cavalcanti, 3º Vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, ressaltou o rigor das regras da entidade. Segundo ele, as farmácias de manipulação são as campeãs em fraudes realizadas em parcerias com médicos. “Vamos continuar exigindo que o médico não tenha nenhuma relação com a farmácia. Se constatamos algum tipo de relação ilícita, tratamos as denúncias com muito rigor, com a cassação da licença para exercício da profissão”, salientou.

Também estiveram presentes a presidente da PróGenéricos, Telma Salles, e o diretor do Instituto Nacional de Controle e Qualidade em Saúde, Antonio Eugênio Castro.



Texto: Ascom Márcio Marinho, com informações da Liderança do Republicanos.

Fotos: Socorro Araújo

Nenhum comentário