Camaçari: Promotor acusado de cobrar para encerrar processo tem sigilo bancário quebrado

Camaçari: Promotor acusado de cobrar para encerrar processo tem sigilo bancário quebrado
Foto: Reprodução
O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) determinou a quebra dos sigilos bancários e fiscais do promotor Everaldo Yunes, da 7ª Promotoria de Camaçari, e da esposa dele, a advogada Fernanda Manhete Marques. Os dois são acusados de cobrar dinheiro da empresária Adriana Almeida da Anunciação da Cunha para que um inquérito contra ela fosse encerrado.

A empresária havia contratado Fernanda Marques em 2015, para defendê-la em uma ação penal contra si, com honorários advocatícios no valor de R$ 30 mil. Naquela oportunidade, o pagamento foi feito na conta bancária de Everaldo, esposo da advogada.

Em 2016, Adriana foi novamente denunciada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), em inicial subscrita pelo promotor, e voltou a contratar Fernanda como sua advogada, recebendo a promessa de que os processos penais seriam arquivados. Entretanto, sem observar resultados, a empresária suspendeu os pagamentos.

Segundo o relator do caso, o desembargador Antonio Cunha Cavalcanti, há “indícios de que a atuação do Promotor de Justiça investigado, única e exclusivamente,  em razão da ausência de pagamentos de maior monta supostamente devidos por A. A. D. A. D. C. a sua esposa e Advogada, F. M. M.”. O magistrado usa as iniciais para se referir às partes do processo.

Diante da possibilidade de prática do crime de corrupção passiva e do que o relator chamou de “indícios de materialidade delitiva”, a Justiça então decidiu pela quebra dos sigilos bancários e fiscais dos acusados.

Nenhum comentário