Teste

Breaking News

Tratamento comprova que vício tem cura




Victor José de Souza (foto à direita) subiu ao Altar e não conteve as lágrimas. Há dois anos e seis meses curado, o balconista relembrou umareportagem de TV que captou as imagens de quando foi preso com outros membros de uma facção criminosa de roubo de carga da qual fazia parte. “Cheguei a morar na mata com os escorpiões”, contou, com a voz embargada, ao lembrar de uma das passagens mais duras de sua caminhada, vivida no Jardim Pantanal, extremo da zona leste de São Paulo. 
A história de Victor é apenas uma entre as dos milhares de resgatados no Tratamento para a Cura dos Vícios. Muitos deles estiveram presentes no aniversário de quatro anos da iniciativa, que aconteceu no dia 25 de fevereiro, na Universal da João Dias, em São Paulo, com a presença do especialista no Tratamento, bispo Rogério Formigoni.
Desde a sua criação até hoje, o Tratamento resgatou mais de 3 milhões de pessoas. Só no ano passado, no Brasil, foram beneficiados mais de 1,6 milhão de dependentes químicos e seus familiares.
O evento contou com a presença de convidados que confirmaram seu apoio à cura dos vícios. Entre eles estavam os jornalistas Percival de Souza e Renato Lombardi, da Record TV; Alexandre Raposo, superintendente da RedeTV!; Thiago Rocha, apresentador da RedeTV!; e Thiago Cestorani, empresário e apresentador da Rádio Mundial. “Foi uma experiência enriquecedora. Para quem precisa de ajuda este é o lugar certo. O bispo é um enviado de Deus”, afirmou o apresentador Thiago Rocha.
A comemoração ocorreu simultaneamente em todas as catedrais do Brasil e em mais de 40 países. Na Universal da João Dias, o evento reuniu 12 mil pessoas, nos outros Estados foram 43.749 participantes e no exterior 10.100.
Para o especialista do Tratamento, o maior legado desses quatro anos são as vidas resgatadas de quem estava nos vícios e perdeu tudo. No entanto, ele afirmou que o trabalho ainda é pequeno, se for levado em conta o número de pessoas que precisam de ajuda nas ruas. “Você não pode esperar a morte e a tragédia chegar na tua casa e na tua família, se você não faz nada está deixando a pessoa morrer a conta-gotas”, explicou.
Sem impossíveis
O impacto de mais de oito anos no vício do crack, maconha, cocaína e cigarro e quatro na criminalidade foi profundo na vida de Victor. No braço esquerdo, ele carrega marcas físicas, fruto de oito tiros recebidos em uma briga entre facções criminosas. “Roubava para sustentar o meu vício. Minha mãe lutou durante meses para comprar um bom celular e eu o vendi por R$ 20 na biqueira”, relatou. Ele acrescentou que consumia em média 100 pedras de crack por dia e estava envolvido em roubo de carga e sequestros, o que lhe rendeu 14 meses de prisão.
Não foi o único preço que ele pagou por causa dos vícios. Meses depois de sair da prisão, Victor quase perdeu a vida. Trinta criminosos tentaram queimá-lo vivo pelo roubo da bateria de um veículo que pertencia a uma facção. Após fugir, Victor clamou pela ajuda de sua mãe, que o convidou para participar do Tratamento. Ali ele foi curado e transformado.
Novidades
A partir de agora, o Tratamento para a Cura dos Vícios terá novidades. O site do Tratamento estreou no dia 23 de fevereiro com um novo layout e novas aplicações. Disponível no endereço www.viciotemcura.com, o site conta com um novo recurso de WhatsApp. Por meio dele, as pessoas podem clicar e serem direcionadas automaticamente para o WhatsApp do Tratamento.
“A tecnologia veio para nos ajudar. Estamos usando ao máximo esse recurso para chegar a essas pessoas que sofrem”, afirmou o especialista.
Além do WhatsApp, os usuários terão fácil acesso ao canal do YouTube e poderão acompanhar o programa A Mente de um Viciado. Desde seu lançamento até o dia 20 de fevereiro, o site teve mais de 3 milhões de acessos. Muitas vidas foram resgatadas, como é o caso da modelo internacional Juliana Sampaio. Ela conheceu o Tratamento na Espanha por meio do site e dos vídeos do canal do YouTube que a mãe lhe enviava e voltou ao Brasil em 2015 para frequentar o Tratamento na Universal da João Dias. “Consumi ecstasy e cocaína durante um ano até começar a ficar muito mal. Minha mãe me enviava os vídeos das reuniões para me ajudar”, revelou. Com a participação no Tratamento, ela foi curada.
Assim como Juliana, muitas pessoas foram alcançadas pelo site, pelo canal no YouTube e pelos livros do bispo Formigoni. “Quando você está desesperado e sofrendo não quer saber de nomes, você quer que tirem sua dor. Nossa grande luta é que as pessoas entendam que estamos aqui para ajudá-las”, concluiu.
Conheça o trabalho do Tratamento para a Cura dos Vícios também por meio do Instagram (@bpformigoni) e do Facebook (viciotemcuraoficial).

Nenhum comentário