Como o meio ambiente chegou ao centro da política internacional




Houve um tempo em que a política internacional era dominada pela ameaça de guerra nuclear. Quando os EUA jogaram bombas nucleares sobre as cidade japonesas de Hiroshima e Nagasaki, o mundo compreendeu que se essa tecnologia não fosse controlada em nível internacional, a humanidade poderia não ter um futuro. Países tiveram que fazer acordos de não proliferação de armas de destruição em massa, e os insumos para produção de armamentos desse tipo passaram a ser vigiados de modo permanente por organismos multilaterais.


No século XXI, a percepção de ameaça ao futuro da humanidade mudou. O modelo de desenvolvimento hegemônico não leva em conta os limites do próprio planeta, esgotando os recursos naturais, alterando a superfície e a atmosfera da Terra, eliminando espécies e até culturas humanas que estejam no caminho - um genocídio ampliado que alguns já chamam de ecocídio. Esse jeito predatório e colonial de lidar com a natureza, disseminado principalmente pelo Ocidente, alterou tanto a vida planetária que geólogos discutem se já não estamos em uma nova era geológica: o antropoceno, a "era do homem", caracterizada principalmente pela extinção em massa das demais espécies que habitam o mundo.


Mas o Homo sapiens é uma espécie que se diferencia pela inteligência e pela consciência. Cada vez mais pessoas percebem que o atual modelo civilizatório terá como resultado a extinção da própria humanidade. E assim como ocorreu com a tecnologia nuclear, a diplomacia está sendo usada como forma de frear a destruição, por meio de negociações, leis e pactos internacionais. Entre eles estão o Acordo de Paris (que estabelece metas de emissão de gases causadores do efeito estufa), o Protocolo de Montreal (que controla a produção de substâncias que destroem a camada de ozônio) e a Agenda 21 (hoje ampliada para Agenda 2030), que foi o principal resultado da Eco-92 realizada no Rio De Janeiro e que estipula a busca pelo desenvolvimento sustentável.


É difícil encontrar alguém que admita ser contra proteger o meio ambiente. Apesar disso, quem defende a natureza enfrenta forte oposição política e corre até risco de morte. Em 2019, o Brasil foi o terceiro país do mundo mais perigoso para ativistas ambientais, com o assassinado de 24 pessoas que defendiam a proteção de ecossistemas, a maior parte delas indígenas da Amazônia, segundo o relatório da Global Witness. Quem promove a degradação e assassinatos de ativistas tenta inverter a lógica - são os ambientalistas os vilões.


Nem sempre é preciso usar violência para destruir a natureza, basta deixar de agir. Amanhã, o Supremo Tribunal Federal fará uma audiência pública sobre uma ação que acusa o governo brasileiro de simplesmente não usar os recursos do Fundo Amazônia, no momento em que a região vive uma crise histórica de desmatamento e queimadas. Uma ação semelhante aguarda decisão da Corte e trata sobre o Fundo Clima, que busca adaptar regiões vulneráveis do país às mudanças climáticas e que teve seus recursos paralisados pelo governo federal sem nenhuma justificativa. Hoje, uma nova ação no STF acusa o governo federal de promover "punição zero" a infratores ambientais. E não só no Brasil, mas no mundo inteiro, o sistema judicial está sendo usado contra governos que não agem para proteger o ambiente e seus cidadãos.

Nem sempre foi assim

O Brasil já teve um papel de protagonismo internacional na área ambiental e costumava cobrar ações para proteger o planeta de países poluidores. A matriz energética brasileira ostenta um percentual de renováveis de dar inveja ao mundo todo, detém o maior percentual da maior floresta tropical do mundo e concentra a maior biodiversidade do planeta. Além disso, já demonstrou ter capacidade de combater o desmatamento e de reconhecer o direito dos povos originários a seus territórios ancestrais e de viverem de acordo com suas culturas..


Hoje o mundo está confuso com a política ambiental brasileira. Dados de satélite, que podem ser checados em tempo real, dizem que o desmatamento está em aceleração, e o governo se limita a dizer que é mentira. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fala que os países ricos deveriam pagar pela preservação, mas eles já fazem isso - o Fundo Amazônia é mantido pelos governos da Alemanha e da Noruega. Como doar mais dinheiro ao Brasil, se o país decidiu nem usar os recursos que já tem?


Na dúvida, governos, investidores e empresas se afastam, enquanto o medo da "bomba ambiental" brasileira só aumenta. O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, promete criar um Green Deal (acordo verde) para reconstrução da economia do país. E no campo diplomático, fala em promover sanções contra destruidores da natureza, citando o Brasil. A crise climática já está sendo tratada com seriedade no exterior - resta ao gigante pela própria natureza acordar e perceber que sempre esteve em berço esplêndido nesse tema.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Mais informações:

Assessoria de Comunicação da Climatempo

(11) 3736 4501



Sede Climatempo - Rua José Antônio Coelho, 567 - Vila Mariana - São Paulo/SP - CEP 04011-061 - Tel. (11) 3736-4591

Labs Climatempo - Av. Dr. Altino Bondesan - 500 - Sala 1308 - Parque Tecnológico - São José dos Campos/SP - CEP 12247-016 - Tel. (12) 9.9143-1232

Nenhum comentário