Teste


Breaking News

Militares venezuelanos entenderam que Maduro chegou ao limite, diz Mourão


General no topo da carreira do Exército brasileiro, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que se aproxima o desembarque das Forças Armadas da Venezuela da ditadura de Nicolás Maduro.

"A questão venezuelana só será resolvida a partir do momento em que as Forças Aramadas venezuelanas se derem conta de que não dá para continuar da forma como está", afirmou nesta quinta-feira (31) em seu gabinete.

"A partir do momento em que se derem conta disso aí e ofereçam uma saída para o Maduro e o grupo dele, se resolve." Segundo Mourão, "esse momento está chegando, porque as pressões são cada vez maiores, o país está fechado em si mesmo". "Nós, militares, em todos os lugares do mundo, a gente entende que tem um limite até onde a gente pode ir. Acho que eles estão entendendo que chegaram a esse limite."

Mourão afirmou que o Brasil pode adotar sanções como bloqueio de bens de integrantes do governo venezuelano no país, posição defendida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro. Questionado sobre quais bens poderiam ser bloqueados, Mourão disse não saber e que a equipe econômica poderia responder sobre isso.

"O que o Brasil pode fazer? Pressões, como já fez a União Europeia hoje, que reconheceu a Presidência do [Juan] Guaidó", disse em relação ao opositor presidente da Assembleia Nacional que se declarou no comando do Executivo venezuelano, no dia 23, sendo reconhecido pelo Brasil no mesmo dia.

A União Europeia, porém, ainda não reconheceu Guaidó como líder da Venezuela. O Parlamento Europeu, braço Legislativo do bloco, foi quem votou pelo reconhecimento do opositor. Mourão também citou as ações empreendidas pelo governo Donald Trump, que "cortaram os recursos que estavam lá dentro dos Estados Unidos, então estamos aguardando".

Mas, para o vice, a tradição brasileira é de não intervir nas questões internas de outro país. "Nós podemos adotar essas pequenas sanções, mas não vamos cruzar uma linha que a gente sabe onde começa, mas não sabe onde termina." Em entrevista à Folha de S.Paulo, Guaidó afirmou que espera o apoio do presidente Bolsonaro para a entrada de ajuda humanitária na Venezuela, que vive uma grave crise social e econômica.

Nenhum comentário